E como fica a comunicação em um momento de crise?

Esse momento da pandemia do COVID-19 está atingindo duramente o mercado e a economia global. Nesse cenário caótico é natural gestores pisarem no freio nas ações e verbas destinas a comunicação.


É claro que o equilíbrio financeiro é prioridade da gestão e principalmente em épocas de crise. Mas também é importante manter a consolidação das nossas marcas ou ainda melhor, aproveitar para conseguir alguma vantagem perante a nossa concorrência, que muitas vezes se retrai nesse momento.


Marcas que comunicam costumam voltar com maior lembrança


A prioridade é não sumir completamente de cena, empresas e marcas que simplesmente somem na crise tem menores chances de retornarem sua caminhada perante a lembrança do consumidor.


Uma pesquisa efetuada pela Kantar mostra que marcas que investem mais durante o período de crise podem crescer até 5 vezes mais do que sua concorrência.


A estratégia de comunicação alinhada ao momento crítico deve ser revista e atualizada, que deixe muito claro o posicionamento junto ao público de interesse e as soluções encontradas para este momento.


Tomando como base tudo isto, não é o momento de se cortar os investimento em comunicação, obviamente que dentro do planejamento efetuado, os ajustes devem ser feitos.


Diante a magnitude desta crise, a comunicação compreende em manter-se presente e relevante, mostrando sua idoneidade e responsabilidade perante o momento.


A Kantar novamente apresentou um estudo que revela que as pessoas esperam que as companhias sejam úteis no dia a dia e também informe todos seus esforços para enfrentar a situação.


A população espera que as marcas sejam um exemplo de mudança, ajudando os consumidores a enfrentar esse período turbulento e mostrem que tudo isso pode ser superado.


Em um mercado e cenário econômico totalmente em queda, umas das ações mais desejadas é a empatia e solidariedade com colaboradores, fornecedores e consumidores.


Mensagens promocionais utilizadas comumente se mostram insensíveis no atual momento, são atos que podem comprometer negativamente a reputação da sua marca.


Sua marca precisa se posicionar


A crise vai passar, porém seus dados podem ser profundos e as vezes irreversíveis se sua tática fora apenas esperar e não se posicionar. Talvez possa ser a hora de você conquistar fatias de mercado que muitas vezes se mostravam inalcançáveis.


Nessa equação complexa entre equilíbrio financeiro X investimentos em comunicação, manter o posicionamento forte e bem estruturado, pode ser tão importante quanto a solidez financeira. Tem mais valor a marca que atrair e fidelizar seu público.


É fundamental estar em sintonia e sensível às necessidades deste momento. A conexão com seu público deve ser efetiva, a ligação emocional com sua marca deve estar em evidência.


E a sua empresa, como está lidando?

Quais atitudes sua marca tem tomando para a segurança física, emocional e financeira dos seus colaboradores, fornecedores e parceiros?

Quais formas de colaborar com o coletivo em relação as dificuldades atuais?

Quais sua soluções para os novos desafios?


População quer que marcas sejam úteis no combate ao coronavírus


Estes foram dois dos principais resultados da pesquisa Barômetro Global Covid-19, realizada pela Kantar com 500 brasileiros, entre os dias 13 e 16 de março de 2020. Os temas abordados estão as atitudes dos consumidores, hábitos de mídia e viagens, impacto nos comportamentos de compra e as expectativas em relação às marcas.


- 88% dos entrevistados concordam completamente que as marcas devem comunicar seus esforços para enfrentar a situação.

- 86% acreditam que as marcas devem falar sobre como poderão ser úteis na crise.

- 80% afirmaram que as empresas não devem explorar as situações de risco para promoverem suas marcas.


Todos esperam que as marcas sirvam de exemplo e guiem a mudança (25%) e ajudem consumidores no dia a dia (21%), ataquem a crise e demonstrem que ela pode ser derrotada (20%) e usem seu conteúdo para explicar e informar (18%).


Alguns exemplos


Enquanto muitos gestores criticam a quarentena e se mostram "congelados", muitas empresas estão se posicionando e conquistando empatia da população.


A Claro, Vivo, Oi e Tim, maiores operadoras de telecomunicação do mercado brasileiro, se juntaram pela primeira vez em uma campanha que incentiva as pessoas a ficarem em casa, com a hashtag #FiqueBemFiqueEmCasa. A Chevrolet, iniciou uma campanha pedindo que as pessoas não usem o carro e fiquem em casa.


A Sadia, reforça a importância de as pessoas comprarem apenas o necessário, de forma consciente. Antes de renegar à comunicação para reduzir custos, parece mais inteligente rever suas estratégias e seguir investindo na conexão emocional com os consumidores. Esse investimento indispensável em tempos críticos se mostrará decisivo quando a crise passar.